sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Error 1 : Teorias de Moutinho


Numa altura em que se fala da demissão de Paulo Bento, vamos verificar como ele poderá passar esta fase(ou então não Paulinho!). Liberalização de drogas leves é o tema que se trata no seguinte post! Enjoy :)

Drogas leves. Porque não a sua liberalização?

Vamos utilizar o álcool como exemplo.
Conheço imensas pessoas da minha idade que, quando frequentavam o secundário, não bebiam
álcool. Nem cerveja, nem mesmo bebidas brancas. Porquê?
Porque ainda tinham 16 anos ou pouco mais que isso? Com medo que os pais soubessem? Porque o simples facto de experimentar era o começo de uma má vida? Porque os outros não bebiam? Bem, acho que chegámos ao ponto fulcral da questão:
Aterrámos repentinamente na faculdade e reparamos que é frequente a prática de consumir álcool entre todos os estudantes. Mas o que é isto?, perguntam alguns. Que bêbados! Onde isto vai parar! Ninguém há-de acabar o curso. Mas pronto, lá foram a um e outro jantar, começaram a beber e agora bebem naturalmente, sem qualquer pudor. Uns mais, outros menos. Uns sim, outros não. Mas isso já faz parte de cada um e nós temos que respeitar!

Mas espera lá…Não consumiam álcool porque fazia/faz mal? E o que faz bem então neste mundo? Para mim, o que faz bem neste mundo é ter momentos em que posso esquecer a quantidade de coisas que tenho que impingir, ter momentos em que me posso divertir, o facto de ainda ter 6 anos sem responsabilidades, em que posso desfrutar destas regalias, de me divertir de uma maneira diferente, o que é igualmente saudável porque temos novas experiencias e sensações.
Se sou apologista da liberalização das drogas leves? Sou, mas não com um uso regular e contínuo. Assim como não o sou para para com o álcool, sendo este livre de ser consumido e que, na verdade, também é uma droga. Álcool, desculpem! Droga! Álcool! Álcool soa bem. Soa bem e melhor. Acho que esta nomenclatura demonstra a hipocrisia que se vive nesta sociedade.

E agora vai uma pergunta à Rui Santos,
Caso as drogas leves fossem dados adquiridos (desde há uns anos para cá, sem se conhecer o processo de legalização, como acontece com o álcool) e se as pessoas da tua faculdade as consumissem como o fazem com o álcool, Tu não o farias também?

Tudo isto tem a ver com a mentalidade e espírito que cada um tem para com as demais realidades. Concepções. Isto é bom, aquilo é mau. Isto sabe bem, aquilo já não. Eu na verdade não sei o que faz bem neste mundo, como já vos disse. Acho que ninguém sabe, ninguém pode garantir que uma coisa faz pior que outra até porque, para além de muitos aspectos, ninguém sabe a maneira como a utilizamos! Acho que, no fundo, devemos ser abertos a novas realidades. Educadamente abertos. E o problema de todos os vícios residente na educação!


E será que nos podíamos divertir sem álcool? Podíamos, mas não seria a mesma coisa!

43 comentários:

Mau disse...

Não sei se já sabias quando fizeste o post, mas o Paulo Bento foi demitido, por isso já não precisas de esquecer isso: "que faz bem neste mundo é ter momentos em que posso esquecer".

Menos uma razão para o consumo de bebidas alcoólicas, pelo menos para os sportinguistas! Porreiro, pá!

Mau disse...

Ah, quanto às drogas e ao álcool... não concordo contigo.

"Porque ainda tinham 16 anos ou pouco mais que isso? Com medo que os pais soubessem?"

Mas que raio de ideia é esta? Tu gostavas que um filho teu começasse a beber ainda no 7º e 8º ano como eu vi alguns amigos meus fazerem?

Tu, provavelmente, sim. Eu não. Não, porque acho que há idades para tudo. Chama-me antiquado, chama-me paranóico, chama-me o que tu quiseres.

Mas em primeiro lugar é certo e sabido que o álcool faz mal. E que faz pior quanto mais novo for o cérebro. Basta meteres no google que encontras montes de artigos relacionados com isso. Acho, por isso, que quanto mais tarde um filho meu começar a beber, melhor.

Em segundo lugar acho que há que respeitar as fases da vida em que estamos. Assim como acho um erro sair e beber com 13 ou 14 anos, acho que seria um erro passar na faculdade sem (experimentar, pelo menos) beber. Acho que em cada fase da nossa vida há um conjunto de procedimentos que podemos experimentar. Porque por esse teu critério era:

"Vamos dar um copito de bagaço aos recém-nascidos para eles se divertirem em vez de chorar, coitados! E um charrito pó pequenino, não?! Afinal de conta tudo faz mal neste mundo e assim o puto sempre se diverte desde pequenino!"

Mau disse...

E quanto à pergunta à rui santos:
"Caso as drogas leves fossem dados adquiridos (desde há uns anos para cá, sem se conhecer o processo de legalização, como acontece com o álcool) e se as pessoas da tua faculdade as consumissem como o fazem com o álcool, Tu não o farias também?"

O tabaco é permitido e nunca fumei. Sou totó... talvez! Mas acho que se puder evitar uma coisa que tanto mal me faz e que me pode viciar (sim, já sei que vais dizer que não vicia porque já tivemos esta conversa...) para quê começar? Verdade seja dita, é coisa que nunca me atraiu. Mas não posso deixar de achar estúpido quem vê tantos avisos e tanta gente a deixar de fumar e depois... começa a fumar!

Agora venham daí todos os alcoólicos e fumadores atacar-me, já estou à espera!;)

PS: Moutinho, não respondas já aos meus comentários, deixa primeiro comentar mais gente ok? ;)

NB disse...

Mas que mal é que tem Mau? Se tu não queres beber não bebas. Se não queres fumar não fumes. Se não queres consumir drogas não consumas. Deixa os outros consumirem se gostam.

É por causa de ambientalistas como tu que o nosso país está como está. Tens toda a razão moutinho!

Pito Nouns disse...

ó mau és mesmo retrogado. Isso de as drogas fazerem mal é coisa do passado. Olha á tua volta!

Agassi: drogado com sucesso.
Rolling Stones: drogados com sucesso.
Maradona: drogadissimo com sucesso.
Bob Marley: drogado com sucesso.

Será que a droga faz assim tao mal?

Kikas disse...

Quanto ao consumo de álcool por menores já aqui referido pelo Mau, a minha teoria é a seguinte: o nosso organismo não tem o mesmo timing de maturação para todas as coisas, pois se os ossos cranianos já estão todos bem formadinhos na infância e se já aguentam bem umas cabeçadas, o fígado por exemplo já tem um período de maturação que acho que só é atingido mais tarde. Por outro lado, há muitas pessoas que começam a beber cedo, e como ainda não têm cabecinha nem consciência das consequências, abusam, o que é parte do prolema. E ainda podemos falar em estudos sobre crianças que consumiam Sopas de Cavalo Cansado ao pequeno-almoço (isto era comum em algumas zonas do país há umas décadas) e os seus níveis de inteligência e capacidade de aprendizagem.

Depois no que toca às drogas, já li um artigo escrito por um médico que dizia que as drogas leves poderiam ser menos prejudiciais que o álcool, no que toca a exageros pontuais. E por acaso deu o exemplo da Queima das Fitas de Coimbra, em que se os jovens em vez de beberem fumassem drogas leves, talvez metade dos problemas fossem evitados.

Eu não sou médica mas não partilho dessa opinião, até porque em vez de comas alcoólicos teríamos overdoses. Até porque raramente se encontra droga pura, sendo que a maioria das substâncias a que chamam droga tem resíduos extremamente prejudiciais à saúde, como derivados de petróleo e produtos ácidos e só uma pequena porção é que é realmente droga.

A única vantagem da legalização, a meu ver, reside nalgumas folhinhas que têm fins terapêuticos, mas o problema é que o pessoal não as usa como tal.

Kikas disse...

"Isso de as drogas fazerem mal é coisa do passado."

Pito Nouns, se as drogas faziam mal no passado, continuam a fazer agora. Uma mudança de mentalidade não implica que as coisas deixem de fazer mal e sejam agora benéficas.

Ranhoca disse...

Sou completamente anti essas coisas todas que só existem para nos fazer mal... loool

chamem-me menino, chamem-me o que quiserem.

Nem em piriscas tenho coragem de tocar e tenho sensações de desmaio quando cheiro acetona. Alcool repugna-me, tabaco é o meu maior inimigo!!!

ALLEZ PAULO BENTO ALLEZ

Anónimo disse...

Completamente de acordo contido moutinho :) Farto de mentes retrogradas estamos nos neste pais . Legalize!

Zé disse...

triste ... mesmo conversa de menino que nunca fez nada de errado e que quando o faz, faz questao de o dizer a toda a gente e para isso vem com o paleio de "ah e tal a vida é apra ser aproveitada pttanto siga fazer isto"

fumaste o teu primeiro charro quando... ontem?? lol

ja fiz muito, n me orgulho de o dizer e nem faço questao de provar q estava bem.. fiz porque me apeteceu, ponto

se a tua mãe sabe...

Kafka disse...

Cada um sabe de si, como tal não vejo problemas na legalização. As pessoas apenas têm qe ter consciência qe alguns dos abusos qe têm agora, reflectir-se-hão mais tarde.

Agora partilho da opinião do Mau, quanto mais longe a minha família e amigos estiverem das drogas, melhor!

Não mata mas mói ;D



PS: Como Benfiqista estou bastante desgostoso da saída do Paulo Bento --'

Asus disse...

Eu acho que este era o post ideal para ouvir a opinião do Ni-ga!. Ninguém conhece um mitra ou um sangoku?

Mau disse...

Estava agora a comentar isso com o ranhoca, asus...

E já agora um záguer! Niguém conhece um záguer que queira falar sobre drogas?

Killer disse...

Ja tao outra vez a gozar com mitras. Voces adoram nos nao e?

Se nos queremos drogar qual e o mal? E a nossa forma de vida e so temos mas e que ser felizes. se somos com drogas com alcol com coisas q tu nao gostas qual e o mal? o moutinho tem razao. as drogas deviam ser legais.

aposto que nunca experimentaram fumar qualquer coisa. da adrenalina. os momentos mais fixes da minha vida foram dps de ter consumido. sem isso nao nos podiamos soltar. e so quem nao experimentou roubar e que nao o quer fazer outra vez. mas nao e facil. as drogas ajudam.

drogas sempre

P.Ministro disse...

Epa como tudo na vida, se as drogas leves fossem legalizadas, tinha q haver um limite. No entanto esse limite ja há,em 6 distritos em portugal (Lisboa, Bragança, Guarda, Viseu, Coimbra e Faro) Passo a citar " Se alguém for apanhado a fumar um charro ou a inalar cocaína em pequenas quantidades no distrito de Santarém pode ter que pagar uma coima ou ser mandado para tratamento, se o mesmo acontecer no distrito de Lisboa, Bragança, Guarda, Viseu, Coimbra e Faro nada acontece." Isto é uma noticia q saiu no Público

JoaoMoutinho disse...



Ontem não foi o meu primeiro nem será o último. Não o faço para me mostrar. Apenas quis mostrar que tanto o álcool como as drogas leves se encontram no mesmo patamar. Não te preocupes com a minha mãe porque ela sabe que já experimentei. Isso de não dizer aos pais as nossas vivencias não demonstra nem receio, nem vergonha, mas sim uma falta de alicerces na relação mãe/filho. Por isso, se tu ainda não te abriste perante a tua mãe, é porque ainda vives numa relação em que a comunicação não faz parte desse último termo. Espero que ultrapasses isso, abraço []

JoaoMoutinho disse...

KIKAS

Com drogas leves é extremamente difícil ficares num estado de overdose. Mas eu não quero fazer do meu post uma substituição da droga pelo álcool, nem nada que se pareça, ate porque ambas são maléficas para o nosso organismo. Apenas utilizei o álcool como um exemplo ;)

JoaoMoutinho disse...

Killer

Respeito a tua opinião, mas não sou a favor de “drogas sempre”. A meu ver, há um momento para tudo. Para tomar café, para beber um copo, para sair a noite, para apanhar um valente borracheira e afins. Mas depois de uma certa fase da nossa vida (neste caso universitária) tudo isso acaba. Tudo tem um ciclo. Sou a favor da liberalização, mas reprimo frases como “Drogas sempre”, pois isso leva, a longo prazo, à decadência e solidão.

Cláudio Ramos disse...

Aleluia! Voltei a visitar-vos à pouco tempo e finalmente vejo q falam de um tema interessante, caramba!
Acho q este tema está ao nível da aprovação ou não do casamento homossexual. Tal como estão a pensar fazer um referendo sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, julgo que deveriam fazer também um sobre a legalização das drogas. Eu sou totalmente a favor dos direitos homossexuais. Aliás, penso que uma mente retrógrada não é compatível com a sociedade moderna de hoje em dia. Certas pessoas como o "Mau" deviam ter tino e pensar nos homens que querem ser felizes com outros homens e mulheres que queres viver uma vida casadas com outras mulheres. Quanto às drogas, julgo que as deveriam legalizar, pois está provado que elas fazem menos danos ao corpo humano que o tabaco e o álcool. Também está provado que elas previnem certas doenças. "Mau", não seja, perdoe-me a expressão, uma besta quadrada quanto a este assunto. "Saia do armário", meu caro.

Beijos e abraços.

O Magnífico disse...

Tenho duas coisas sérias a dizer.

As drogas leves, levam, por vezes, ao consumo de drogas pesadas.
Ao contrário, a cerveja é o álcool mais pesado que existe no mercado, cada 25cl pesam que? 200 e tal gramas? Portanto, meus caros, já não há possibilidade para passarem para algum tipo de álcool mais pesado!

E não consumam, porque a cerveja é como as mulheres e a água. Ela é pouca e nós somos muitos!

Mau disse...

Amigas e amigos,
senhoras e senhores,
adultos e crianças,
mitras e sangokus,

é com grande honra que venho por este meio anunciar que hoje fiz uma descoberta que mudará a minha vida para sempre.

Queria agradecer ao Killer que com a sua bonita argumentação me permitiu conhecer este novo mundo que é o mundo das drogas.

Tal como o Ni-ga! disse um dia "Será que alguém pode dizer que já viveu sem nunca ter fumado um cigarro, sem nunca ter snifado qualquer coisa, sem nunca ter posto alguma cena para a veia, sem beber álcool, sem ter pertencido a um gang urbano ou sem nunca ter andado à porrada?".

É por isso que, no dia de hoje, abandono o Cristianismo como religião e dedico-me ao Mitrismo, cujos mandamentos são algo do género:
"Roubarás.
Cobiçarás a mulher do próximo.
Insultarás.
Drogar-te-ás.
Beberás.
Fumarás."

Por isso te agradeço a ti, Killer, por poder participar nesta nova religião.

Prometo que amanhã rapo o cabelo nas faces laterais da cabeça, corto as mangas às minhas camisolas , compro uma bolsa para meter ao pescoço, compro umas meias brancas para vestir por cima das calças... e, claro, um cap para que depois não apanhe meningite e morra e me reproduza menos segundo o neodarlinguismo!

Mau disse...

Meu caro Cláudio, ainda bem que voltou!

Regozijo-me por o ver de regresso e por trazer à baila uma questão tão pertinente como os erros ortográficos. Saiba, meu caro, que se escreve "à" e não "á". É óbvio que eu, como qualquer outra pessoa, também dou os mesmo erritos de vez em quando. Mas uma sumidade como a sua pessoa não deveria dar-se a tal luxo, até porque se é você a falar disso depois tem de dar o exemplo...

Bem, quanto ao casamento homossexual poderá ser uma sugestão para um próximo post. Que me dizes, Moutinho? Mas certamente que já esperava essa sua posição (salvo seja, claro...).

Quanto ao tema do post, não tem nada a dizer? É que por uma vez na vida podia falar dos temas dos quais se fala e não falar do que bem lhe apetece não acha sua, permita-me a expressão, bicha?:)

Beijinhos e abracinhos,
Mau-r-à-dona

Killer disse...

Porra moutinho nao me falhes agora. tavasa ir tao bem! porque e que frases como "drogas sempre" nos levam a decadencia e solidao? a frase nao nos leva a lado nenhum, po!

e esse ze tambem e parvo. ai concordo ctg moutinho. quem tem medo da mae so mostra "falta de alicerces na relaçao mae/filho" como dizes. com a minha mae e simples. eu drogo me. se ela reclamar comigo por tar a fumar dentro de casa a soluçao e simples: dialogo.

normalmente é assim:
Killer nao para de fumar. nao gosto que fumes!

e eu respondo:
e eu tou me a cagar po que tu gostas.

entao saio de casa e vou fumar com os meus amigos e ver se apanho algum puto estupido com um movel fixe

Tiago disse...

Concordo na maioria com a kikas e com o Mau, nao concordando com a liberalização das drogas...

e quando dizes que se começa a beber e talvez fumar por repetir a maioria na minha opiniao so faz isso que é burro ou come palha...

penso que cada um deve tomar as suas escolhas independentemente dos outros mas tal como o Mau disse deve haver um limite minimo para as efecturar...

eu por exemplo ja bebia e ate fumava (e nao era apenas tabaco) antes de entrar pa faculdade mas por minha vontade deixei-me disso (relativamente ao fumar) por minha propria escolha...

Kikas disse...

Isso é diálogo? Eu no conceito de diálogo incluo um outro que é respeito.

Já d'agora, gostavas que te assaltassem a casa ou que te roubassem sem poderes fazer nada contra? E saberes que o que te estavam a roubar era necessário para ti mas para o ladrão era só mais uma coisa para brincar, assim como quem não tem nada para fazer?

O que está em causa são valores como o respeito pelos outros e o civismo e eles são um dos alicerces de qualquer sociedade.

argolinhas disse...

"Caso as drogas leves fossem dados adquiridos (desde há uns anos para cá, sem se conhecer o processo de legalização, como acontece com o álcool) e se as pessoas da tua faculdade as consumissem como o fazem com o álcool, Tu não o farias também?"

esta aqui 1 bom argumento para que essas drogas nao sejam legalizadas...

Killer disse...

Kikas isso e tudo muito bonito mas aposto que es uma frustrada que nem sabe o que e divertir se.

ja eu digo com todo o orgulho: sou feliz!

Mau disse...

AHAHAH

Brilhante excerto, este do Killer, digno de uma série cómica:
"(...)
a soluçao e simples: dialogo.

normalmente é assim:
Killer nao para de fumar. nao gosto que fumes!

e eu respondo:
e eu tou me a cagar po que tu gostas.

entao saio de casa e vou fumar com os meus amigos e ver se apanho algum puto estupido com um movel fixe"

Obrigado, Killer, muito obrigado!:,)

Cláudio Ramos disse...

Em primeiro lugar, "Mau", quanto ao meu erro ortográfico tem toda a razão, agora na maneira de o corrigir não... Em vez de "à pouco tempo", deveria ter escrito "há pouco tempo". Desde já peço desculpa a todos. Agora em segundo lugar, gostaria de apenas referir um pequeno defeito (como se não fosse a primeira vez...) a "Kikas". Acho que a sua maneira de "opinar" é, no mínimo, ridícula. Peço-lhe, novamente, para argumentar de uma forma concisa e coerente. Não me leve a mal, mas penso que os seus métodos de escrita são um pouco rudimentares. Leia muito (Aconselho-lhe Eça de Queirós e... um manual de Língua Portuguesa. Preferencialmente do 5º ano...)!
Cumprimentos.

JoaoMoutinho disse...

MAU

Quando utilizei os 16 anos como exemplo não quis demonstrar que a maior parte dos adolescentes bebem antes dessa idade(possivelmente ate o fazem). Utilizei os 16 anos porque é a idade, com base legal, em que podes iniciar o consumo do álcool. Jamais queria por alguém com idades entre os 12-14 anos a beber, fumar, etc. Sim, quanto mais tarde, melhor. E se alguém não quiser mm tocar nalgum tipo de …, respeito. Mas julgo que ter novas experiencias(tanto com o álcool e afins) enriquece-nos mais como pessoas, e aí, desculpa, tens que me dar razão. Só passando por determinada situação é que se compreende as demais vertentes que aí possam existir.
Mas dizes isso não por ser antiquado, mas sim por teres uma visão diferente da minha e uma educação igualmente divergente. Mas isso faz parte e ainda bem.

JoaoMoutinho disse...

Killer

Isso é dialogo? lol :)

JoaoMoutinho disse...

Gostava de partilhar um coisa com voces, um a parte:

Nunca se diz nunca, nem nunca se diz sempre. Forever e never! JEB RUA!

argolinhas disse...

outra vez a contradizeres-te moutinho...se nunca se diz nunca, nunca podes dizer que nunca se diz nunca. nao e?

Kikas disse...

Cláudio Ramos, refere-se a que comentário? É que sinceramente não vejo qual é o seu problema... ou melhor, se calhar até sei: problema de interpretação. Mas caso não saiba interpretar textos, talvez o senhor é que deveria pegar em manuais do 5º ano.

Killer, há outra formas de divertimento e não é preciso uma pessoa fazer esse tipo de coisas para não se sentir frustrada, pelo contrário.

Titi disse...

Eu tb sou a favor da legalizaçao das drogas leves.

Podem ficar muito espantados com a minha afirmaçao ate porque nunca fumei tabaco nem qualquer outra coisa. Apenas bebo o meu copito de vez em quando e poucas vezes exagero nisso. Sou a favor da legalização porque, como muita gente que aqui comentou nao sabe, se fosse legal existiriam sitios proprios para se efectuarem as compras de tais drogas e como era um coisa regida pelo governo esses produtos teriam de pagar IVA e outros impostos afins. Isso iria fazer o seu preço aumentar e com isso o consumo diminuir. Essa queda no consumo iria diminuir também porque para algumas drogas iriam existir sitios onde so se poderia consumir ali e existiriam multas pesadas para quem fosse apanhado a consumir num outro lado.

Quanto ao alcool, ha sim um exagero tremendo no seu consumo em ocasioes de queimas, latadas e ate somente jantares. Acho sim que num festejo qualquer se apanhe uma borracheira de todo o tamanho, mas sera que um jantar de curso ou um simples cortejo e motivo para isso?? Acho que temos de ser comedidos e fortes mentalmente. Eu tenho muitos colegas que bebem e fumam ao desbarato e ate me "encorajaram" a faze-lo mas nunca foi por isso que o fiz. Acho que so os fracos de mentalidade vao atras dos outros, mas infelizmente ha muitas pessoas assim e, como o argolinhas disse, esse e um grande argumento para a nao legalizaçao das drogas.


Vi tambem umas preciosidades em comentarios anteriores... Como e possivel alguem dizer "drogas sempre" ou "so quem nao experimentou roubar e que nao o quer fazer outra vez" ou ate mesmo dar a entender que as drogas nos fazem ser bem sucedidos como o Pito Nouns disse??

Sera que alguma vez se interrogaram porque e que os cigarros têm filtro?!? E que o que fumam apenas tem um papel no lugar do filtro e como espero que saibam isso nada protege. Ao estarem a fumar estao a matar inumeros neuroneos e outras celulas no vosso cerebro que dificilmente ou mesmo nunca voltaram a nascer, o mesmo acontece a quem bebe sem que tenha o cerebro num estado de maturaçao adequado, como e o caso das crianças.

Por fim, acho que a comparação e os argumentos apresentados pelo JoaoMoutinho no post foram um bocado infelizes.

JoaoMoutinho disse...

Argolinhas

Eu tambem tinha pensado nisso, mas estava a espera q ninguem reparasse...

Mau disse...

A beldade da expressão "nunca digas nunca" é precisamente esse paradoxo... não acho que esteja mal. Mas pelos vistos não era essa a intenção do Moutinho...

Tens razão, Cláudio Ramos. Já tinha lido o comentário há uns tempos quando te respondi e por isso o erro não era bem o que estava a dizer. Lembrava-me que havia um erro nesse "à" mas não tive o cuidado de ir confirmar qual era. Mea culpa!

Epa o Killer é mesmo brutal:p

Quanto a ti, Titi... não consigo concordar. Acho que seria demasiado ingénuo achar que os que fumam agora iam passar a pagar mais para fumarem em sítios próprios e a olhar para paredes onde diz: "Fumar mata".

Se agora arranjam a droga iam continuar a arranjar. Para além de que ao legalizar a droga, mais gente ia experimentar (penso que isso é um dado adquirido). Não vejo, portanto, qual a vantagem disso...

Killer disse...

e impressionante. se e o moutinho a dizer as coisas toda a gente concorda com ele. se for alguem que se assume como mitra ja ninguem concorda e toda a gente goza.

tu oh mau ve la se o brutal te vai a cara. e moutinho nao pares de gozar nao

Teixeira disse...

Killer esta mas e caladinho seu mitralhao.

Moutinho e deus

Mau disse...

Teixeira??? És o teixeira que já cá tinha vindo??:o

JoaoMoutinho disse...

Como diz o argolinhas,

sabem o que mais me preocupa? É o vilas boas ainda nao estar em alvalade!

Titi disse...

Tudo bem mau. Nisso tens razao. O trafico de droga nao iria acabar em portugal por se legalizarem as drogas. Mas acho que se agora ja é arriscado esse trafico passaria a se-lo ainda mais, uma vez que nao haveria justificaçao para tal coisa. Também sei que em ambientes rurais seria particularmente dificil policiar quem conseme ou nao nos devidos locais mas dentro das cidades seria mais facil e acho que começariam a pensar duas vezes em faze-lo.

argolinhas disse...

a mim preocupa-me e a lesao do ramires e o castigo do cardozo...agora drogas e alcool?vamos falar e de assuntos serios se faz favor!

Publicidade

Para efeitos legais é importante explicar que o nosso site usa uma Política de Publicidade com base em interesses.